Com filho caçula na UTI, Zé Vaqueiro manda recado aos fãs

Por - 30/07/23

Zé Vaqueiro

Zé Vaqueiro usou as redes sociais, neste fim de semana, para agradecer as mensagens de carinho que recebeu dos fãs, após a notícia de que seu filho caçula, Arthur, nasceu com uma malformação congênita. O bebê veio ao mundo na última segunda-feira, 24 de julho, em um hospital em Fortaleza, capital do Ceará. Além de Arthur, Zé Vaqueiro também é pai de Daniel, de 3 anos, e Nicole, de 13, do relacionamento com Ingra Soares.

“Agradeço de coração a todas as mensagens que recebi, obrigado pelas orações e que Deus abençoe e retribua da melhor maneira esse carinho de cada um de vocês não só por minha pessoa mas pela minha família”, escreveu.

Ele acrescentou um trecho bíblico: “Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza e Nele confiarei”.

Durante a semana, a equipe de imprensa do cantor publicou um comunicado aos fãs na web.

“Na tarde de segunda-feira, 24, nasceu Arthur, filho caçula de Ingra Soares e Zé Vaqueiro, que já são pais de Daniel, de 3 anos, e Nicole, de 13. A mãe passa bem e já recebeu alta hospitalar. O bebê encontra-se na UTI devido a uma malformação congênita decorrente da síndrome da trissomia do cromossomo 13. Diante desta situação delicada, informamos o cancelamento dos shows do artista até a data de 17 de agosto. Neste momento, a família necessita estar unida, cercade de amor e serenidade. Contamos com a compreensão de todos e pedimos que se juntem a nós em orações pelo bem-estar do pequeno Arthur e por toda a família, que agradece antecipadamente o apoio”, dizia o aviso.

ENTENDA A DOENÇA

Trata-se de uma condição muito grave, que leva a diversas complicações. É uma doença genética caracterizada pela ocorrência de um conjunto característico de malformações congênitas.

A presença de um cromossomo a mais causa problemas de má formação no rosto, nos membros e nos sistemas nervoso, cardíaco e urinário.

Entre os problemas causados pela doença estão:

  • Malformação no coração;
  • Malformação no sistema nervoso;
  • Alterações na face e lábios leporinos:
  • Malformação nos rins;
  • Problemas respiratórios;
  • Micro ou anolftalmia (olhos pequenos ou ausência de olhos);
  • Defeitos abdominais;
  • Malformação nas orelhas e surdez

Bebês com síndrome de Patau nascem com baixo peso e uma série de alterações fisiológicas e malformações. Em alguns casos, pode haver microcefalia.

O QUE SÃO CROMOSSOMOS

Todos os seres vivos possuem DNA, código que indica como as estruturas que formam o corpo humano. O cromossomo é uma estrutura onde as moléculas de DNA estão condensadas e reunidas.

O número de cromossomos varia de espécie para espécie, mas seres humanos possuem, de modo geral, 46 cromossomos em cada célula, sendo 23 herdados do pai e 23 da mãe.

Eles são contados em dupla e nomeados numericamente (um par de cromossomos 1, um par de cromossomos 2, um par de cromossomos 3, e assim por diante). A síndrome de Patau se caracteriza pela presença de um cromossomo 13 a mais. Nos momentos em que o DNA é replicado para dar origem a novas células que ocorrem falhas como a trissomia cromossômica que afeta o filho do cantor Zé Vaqueiro, que já tem outros dois filhos com a esposa, Ingra Soares.

Portanto, em vez de ter um par de cromossomos 13, os portadores da síndrome têm três cromossomos 13, por isso o nome trissomia. Desse modo, quem tem a Síndrome de Patau tem 47 cromossomos ao todo, e não 46.

“Essa doença pode levar a perda gestacional ou parto prematuro da criança. Na maioria dos casos a sobrevida da criança com síndrome de Patau é baixa. Então, geralmente a criança vem a óbito após o nascimento”, aponta Cristiana Libardi, destacando que há casos de crianças que sobreviveram por meses.

EXISTE TRATAMENTO PARA A SÍNDROME DE PATAU?

Não há um tratamento específico para o problema. Geralmente, é oferecido suporte para que a criança portadora da síndrome receba todo o conforto possível.

Usualmente a síndrome de Patau é um evento esporádico sem fatores de risco determinantes. Um teste de triagem pré-natal não invasivo pode ser realizado para identificação da trissomia 13 (e algumas outras alterações cromossômicas) no sangue materno, ao redor das 9 ou 10 semanas de gestação.

O bebê com Síndrome de Patau usualmente sobrevive apenas poucos dias ou semanas. Raramente casos com trissomia parcial ou mosaico podem ter sobrevida mais longa. Deve ser oferecido tratamento de suporte e proporcionar o conforto possível e os pais devem receber apoio e aconselhamento genético.

COMO PREVENIR A SÍNDROME DE PATAU

Através do teste de triagem pré-natal não invasivo], o problema pode ser detectado. O exame é feito colhendo uma mostra do sangue materno por volta das 9 ou 10 semanas de gestação.

Se o teste for sugestivo de trissomia 13, o médico pode solicitar a confirmação através da coleta de amostra de vilosidades coriônicas ou de líquido amniótico para a realização do cariótipo fetal. O diagnóstico pré-natal pode também ser indicado quando são observadas anomalias sugestivas de síndrome de Patau no exame de ultrassom do feto, que é realizado rotineiramente. 

Embora não seja possível antever o problema antes da gravidez, os futuros pais podem buscar aconselhamento genético. Também é possível analisar o embrião nos processos de reprodução assistida, como a fertilização in vitro, para evitar a transmissão do problema.

Siga OFuxico no Google News e receba alertas sobre as principais notícias sobre famosos, novelas, séries, entretenimento e mais!

Jornalista desde 2000, iniciou a carreira como redatora do site OFuxico em 2002. Anos mais tarde, trabalhou como editora no site Famosidades (MSN), tendo passagem ainda como repórter na Quem, jornal Agora S. Paulo (Folha de S. Paulo), R7 e retornou em 2015 como editora do site OFuxico.