Notícias às 12:37

Compadre Washington relembra ostentação: ‘Tinha quatro carros’

Reprodução/Instagram

Compadre Washington, do É o Tchan!, viveu um começo de ano atípico. Em entrevista à Quem, o artista contou como foi a primeira vez em sua carreira que ele não trabalhou no Carnaval, que foi cancelado por causa da pandemia, e comentou sobre os planos de celebrar os 30 anos do grupo de axé baiano, que tiveram que ser postergados. Além disso, Washinton ainda comentou sobre o seu engajamento nas redes sociais e a maneira que leva a vida atualmente. 

Carnaval 2020: É O Tchan agita circuito do Farol da Barra

"A gente nunca parou de tocar e nunca tinha deixado de tocar em um Carnaval. A gente estava com um projeto de celebrar os 30 anos do É o Tchan. Ia ter gravação de DVD, CD novo, biografia para ser lançada e um musical contando a história do grupo no teatro. A Covid pausou todos os planos. Para não dizer que não fizemos um show neste período todo, fizemos duas lives e um show em Brasília drive-thru. Depois paramos”, relembrou ele, que achou a decisão de adiar o Carnaval sensata e afirmou não pretender voltar aos palcos antes de todos os brasileiros serem vacinados.

“Eu fui um dos que disse que se não tivesse vacina, era melhor não ter Carnaval. Estamos no meio do ano e pelo jeito não vai ter mesmo Carnaval. Acho que não vai dar tempo de imunizar todo mundo. Eu prefiro esperar o outro Carnaval. Vamos ter calma, se cuidar e se vacinar. Depois terão muitos carnavais para a gente curtir.

Durante esse período fora da estrada, Compadre tem investido nas plataformas digitais. Ele conta que passa muitas madrugadas conversando com os fãs pelo Instagram, no qual tem mais de 200 mil seguidores.

Compadre Washington lamenta morte da mãe: 'Olhai por nós'

“A gente começou a se movimentar mais nas plataformas digitais. Eu não entendia muito e ainda estou aprendendo. Meus filhos que são antenados e já fizeram Tik Tok para mim e estão buscando mais engajamento. Estou precisando de seguidores (risos). Eu nunca me toquei para isso. Mas agora a forma que tem é trabalhar digitalmente até isso tudo passar e a gente voltar para a estrada com os nossos projetos. Hoje o que dá para salvar o artista é o número de seguidores, os Tik Toks”, explicou. “Geralmente o pessoal tem assessores para ajudar, mas no meu caso, sou eu mesmo que falo com os fãs diretamente. Às vezes, vou dormir às 5 horas da manhã porque fico batendo papo. Pessoal fala ‘não acredito que é você’. Daí eu ligo a câmera para o pessoal me ver. Tem vezes que faço lives e começam a mandar umas perguntas meio assim e eu falo que vou sair do ar (risos). Nunca me mandaram nudes. Ainda não tive o prazer de receber (risos)”, completou.

Legado

Pai de dez filhos, o cantor relembrou o legado que deixou para todos os herdeiros e também para seus irmãos.

“Ganhamos muito dinheiro com o Tchan. Vendemos 16 milhões de CDs no Brasil três milhões fora… No mês, fazíamos 35 shows. Eu fiz pé de meia de todos os meus filhos. Todos os meus filhos tem casa, todos os meus irmãos também e a minha mãe, que agora Deus a tenha, foi a primeira a ter a dela.”

Apesar de viver uma vida confortável, Compadre afirma que não é mais da turma da ostentação. Ele, que já teve quatro carros na garagem, hoje não tem automóvel próprio por achar o investimento desnecessário.

Após tentativa de assalto, Compadre Washington é internado em São Paulo

“Na época eu tinha quatro carros na garagem. Tinha que mostrar status. Tinha duas Mercedes e duas BMWs. Para que ter quatro carros na garagem se só tenho dois braços? Um conselho que dou para todos os que estão começando, compre um carro só, básico e bom e invista em casas, terrenos e apartamentos. É isso que vai dar dinheiro e sustância. Não compre carro! Perde logo o valor. Hoje não tenho carro. Eu alugo quando quero ou ando de Uber. O carro dá muito prejuízo, já perde o valor quando sai da loja. Melhor uma casa confortável, com uma televisão maravilhosa, um frigobar do lado da cama”, explica.

Compadre Washington lamenta morte da mãe: 'Olhai por nós'

Compadre Washington anunciou a morte de sua mãe, Maria de Lourdes, em seu Instagram. 

Com uma foto ao lado da matriarca, em que ambos aparecem comendo um bolo de aniversário, o músico fez uma declaração para despedir-se. 

Carnaval 2020: É O Tchan agita circuito do Farol da Barra

"Hoje o céu se prepara para receber a verdadeira estrela da família!! Maria de Lourdes, olhai por nós!", escreveu ele na legenda. 

A publicação recebeu muito amor e pêsames dos fãs e outras celebridades, que lamentaram a perda de Compadre Washington e enviaram força para a família. 

 

 

Internação

No ano passado, Compadre Washington passou por um sufoco após se apresentar na Virada Cultural, em São Paulo, com o grupo É O Tchan.

Isso porque ele sofreu uma tentativa de assalto e, na hora, acabou levando uma rasteira de um dos assaltantes, o que ocasionou sua queda e uma lesão na cabeça.

Após tentativa de assalto, Compadre Washington é internado em São Paulo

Por conta disso, o artista foi encaminhado ao pronto-socorro no Hospital das Clinicas, onde foi internado posteriormente. 

Na página oficial do cantor, no Facebook, foi colocada uma nota de esclarecimento por sua assessoria:

"A assessoria de imprensa confirma que  Compadre Washington sofreu uma tentativa de assalto (…) teve o seu aparelho de telefone roubado e sofreu uma queda que ocasionou um ferimento na cabeça, sendo prontamente encaminhado para uma unidade de saúde"