Alok e indígenas brasileiros celebram pré-lançamento de O Futuro é Ancestral

Por - 22/03/24 às 21:00

Alok e os indígenasFelipe Miranda

Pela primeira vez em Los Angeles, nos Estados Unidos, o projeto O Futuro É Ancestral chega ao Grammy Museum para performance com as presenças de Mapu Huni Kuin, Brô MC’s, Rasu e grupo Yawanawa, Owerá MC e Alok.

Receba as notícias de OFuxico no seu celular!

O evento inclui ainda uma roda de conversa com a antropóloga e deputada indígena Célia Xakriabá e Mapu Huni Kuin sobre a intersecção entre música, tecnologia e sustentabilidade como chave fundamental para a reconexão com a natureza, o bem-viver dos povos originários e a preservação da vida no planeta.

Depois de apresentações abrindo a Semana do Clima na ONU (Nova Iorque – 2022 e 2023) e de participação de destaque no Global Citizen, O Futuro É Ancestral avança sua caminhada rumo à projeção e valorização da cultura e tradição indígenas.

Kate Middleton é diagnosticada com câncer

Assinado pelo Instituto Alok, o projeto tem várias outras frentes, entre eles um documentário de mesmo título produzido pela Maria Farinha Filmes – em fase final de edição – cujo trailer será exibido no evento. Com roteiro de Célia Xakriabá e Moara Passoni, o documentário acompanha a imersão criativa entre os artistas indígenas e Alok, que vive uma transformadora experiência na dimensão do poder de cura da música ancestral.

Como será o programa de Virginia Fonseca no SBT?

“Levar a sabedoria ancestral da floresta ao mundo faz parte não apenas dos meus objetivos artísticos, mas dos meus princípios como cidadão. Desde que tive contato com a cultura dos povos originários, entendi a importância da preservação e disseminação de seus conhecimentos e de desconstruirmos conceitos, crenças e narrativas que contaminam a visão que adultos e jovens do Brasil, e de todo o mundo, têm sobre os indígenas. O futuro pode ser tecnológico e sustentável, mas para isso precisamos ouvir a voz da floresta e cocriar as soluções”, diz Alok , que doou todos os seus royalties como co-autor e produtor para os artistas indígenas.

Jornalista desde 2000, iniciou a carreira como redatora do site OFuxico em 2002. Anos mais tarde, trabalhou como editora no site Famosidades (MSN), tendo passagem ainda como repórter na Quem, jornal Agora S. Paulo (Folha de S. Paulo), R7 e retornou em 2015 como editora do site OFuxico.


×