Cara Delevingne: Luta pela sobriedade não é nada tranquila

Por - 25/07/23 às 23:00

Cara DelevingneCara Delevingne / Reprodução / Instagram/@caradelevingne

Cara Delevingne abriu o jogo sobre seu difícil caminho rumo à sobriedade, em uma nova entrevista para a revista “ELLE” do Reino Unido. A modelo inglesa de 30 anos revelou que sua jornada ‘não foi tranquila’, porém assegura que ela não vai permitir que o problema com a bebida ou drogas atrapalhe sua vida, e confessa que agora se sente mais ‘estável e mais calma’.

Cara não esconde que já lutou contra o álcool e as drogas, e no ano passado deixou muitos temerosos por sua saúde mental depois que uma série de fotos de paparazzi surgiram dela com um comportamento errático.

Ela conta que mais tarde resolveu enfrentar seus problemas de frente se internando em uma clínica de reabilitação após tentativas fracassadas de intervenções de seus entes queridos.

Agora, vários meses depois, Cara está se sentindo ‘mais feliz e brilhante’ e afirma que nada vai impedi-la em seu caminho para a recuperação, apesar de alguns solavancos ao longo do caminho.

“Não [foi fácil], mas nunca houve momentos em que eu pensei: ‘Isso não vale a pena’. Valeu cada segundo. Eu só não sei o que seria necessário para eu desistir. Agora estou estável, estou mais calma”, contou, acrescentando que sente que tirou um peso de cima dela, depois de ser honesta sobre suas dificuldades com seus amigos, familiares e fãs.

“Por muito tempo, senti que estava me escondendo muito das pessoas que me admiravam… Finalmente sinto que posso ser livre e ser eu mesma, totalmente.”, comemora.

Cara Delevingne acha que o que provocou seu descontrole foi sua rápida ascensão de um nome desconhecido a um nome popular: “Não parecia real… Eu não sentia que merecia isso. Eu não me sentia digna… Eu ainda estava presa nessa mentalidade de não ser boa o suficiente. Eu estava fazendo o melhor que podia, mas não estava realmente apreciando cada momento. Por dentro, eu me sentia muito diferente de minha aparência.”, confessa.

Mas ela revela que teve alguém especial no caminho para ajudá-la: sua namorada Minke. Antes de ficarem juntas, as duas foram amigas por 20 anos.

“Minha namorada tem sido realmente maravilhosa em me apresentar a muitas coisas e pessoas. Estar com minha namorada, neste relacionamento… há tantas coisas que aconteceram ao mesmo tempo que me deixaram tão feliz e confortável com quem eu sou.”, justifica.

SINCERIDADE

Cara Delevingne está se abrindo sobre seus dias recentes mais difíceis e reconhece que está finalmente sóbria há quatro meses, depois de se internar em uma clínica de reabilitação no ano passado, depois de que imagens suas completamente errática circularam na Internet.

Em uma entrevista reveladora à revista Vogue americana, a modelo confessou seu desejo desesperado de ter filhos e contou que planeja congelar seus óvulos em um futuro próximo.

Cara – que está em um relacionamento com a cantora Leah Mason, também conhecida como Minke – disse à nova edição da revista: “Eu queria um filho desde que tinha 16 anos. Naquela época, eu não estava pronta, é claro – só queria substituir a necessidade de cuidar da minha mãe por um filho meu.”, comentou.

Atualmente Delevingne afirma que está vivendo a vida ‘segundo a segundo’ e confessa que agora está priorizando seu próprio bem-estar antes de qualquer coisa, ou carreira.

Ela disse: “O trabalho é extremamente importante, mas o trabalho é secundário porque meu autotrabalho é a coisa mais importante”, justificou, ao mesmo tempo em que afirma que está se concentrando em fazer “pequenas mudanças” em sua vida como parte de sua sobriedade e planeja parar de fumar em breve também, embora acha que seria “demais” nesta fase de sua recuperação.

Ela disse: “São as pequenas coisas, porque, meu Deus, eu queria parar de fumar também, mas agora é demais… No começo eu estava explorando todos os caminhos, vendo o que era melhor para mim, vendo se precisava de medicação. Deixando tudo – trabalho, todas as obrigações – de lado e apenas me perguntando: ‘O que eu preciso neste momento?’. Antes, eu sempre buscava soluções rápidas de cura, indo a um retiro de uma semana ou a um curso para traumas, digamos, e isso ajudava por um minuto, mas nunca chegava ao âmago da questão, às coisas mais profundas. Desta vez, percebi que o tratamento em 12 passos era a melhor coisa, e era sobre não ter vergonha disso. A comunidade fez uma grande diferença. O oposto do vício é a conexão, e eu realmente descobri isso nos 12 passos.”, assegura.

Cara Delevingne tem falado abertamente sobre temas tabus em seu documentário da BBC, “Planet Sex with Cara Delevingne“, e agora a modelo de 30 anos, assegurou no programa que os homens não têm as “ferramentas certas” para satisfazer as mulheres sexualmente. A afirmação foi feita pela supermodelo, enquanto ela viaja pelo mundo para explorar gênero, sexualidade e fantasias.

Sobre o assunto, Cara foi bem específica: “Eu sinto que, geralmente, os homens não estão equipados com a ferramenta certa para lidar com as mulheres, especialmente sexualmente”, diz Cara, falando sem censuras sobre os orgasmos femininos e a falta deles durante a relação heterossexual.

“Eu não quero entrar na arte de como fazer uma mulher se satisfazer… mas é muito mais complicado e muito mais divertido. Eu entendo, é muito mais complicado para uma mulher ter que te dizer, ‘Ei, você não está fazendo certo, você tem que sentar e ouvir o que eu digo.’ Sim, é um matador de ego com o qual a maioria dos homens não consegue lidar”, justificou.

No programa, Cara – que se identifica como queer e de gênero fluido – também é vista participando de um ato sexual solo de 10 minutos na Alemanha, enquanto seu sangue é coletado para um experimento científico que mediu os níveis de endocanabinóides em seu sistema antes e depois do orgasmo.

“Estou aqui para ter um orgasmo e doá-lo para a ciência. Acho que o desejo sexual feminino foi definitivamente reprimido. Sei por minha própria vida amorosa como as mulheres podem ser sexuais, então você pensaria que no século 21 homens e mulheres deveriam ter vidas sexuais igualmente satisfatórias, certo? Bem… prepare-se para um choque. Quando se trata de orgasmo, há uma clara diferença de gênero”, afirmou.

“Os cientistas dizem que 95 por cento dos homens heterossexuais têm orgasmo durante a relação sexual, mas apenas 65 por cento das mulheres heterossexuais o fazem. Para ser honesta, acho que isso soa muito alto, a maioria das minhas amigas heterossexuais dizem que provavelmente é entre 15 ou 20 por cento. Lésbicas e mulheres queer definitivamente parecem ter melhor.”, explica.

Siga OFuxico no Google News e receba alertas das principais notícias sobre famosos, novelas, séries, entretenimento e mais!

Formada em Ciencias de la Comunicación (México), louca por gatos e fascinada com o mundo dos famosos. Feliz de ser parte do OFuxico desde 2000.


×