Juliano Cazarré fala sobre anomalia da filha: ‘Não é fácil’

Por - 31/05/23 às 21:30

Juliano Cazarré no InstagramFoto: Reprodução/Instagram @cazarre

Maria Guilhermina, filha de Letícia e Juliano Cazarré, está internada num hospital em São Paulo, ao lado da mãe. Aos 11 meses, a pequena enfrenta o tratamento de uma condição rara no coração. Nesta quarta-feira, 31 de maio, o ator falou a respeito da batalha da pequena.

Leia+: Letícia Cazarré atualiza estado de saúde da filha, Maria Guilhermina

O artista da Globo conversou com fãs que queriam saber mais sobre a saúde da caçula. Para ele, a expectativa é de que as duas retornem ao Rio de Janeiro em breve. Além disso, confessou que o momento da família não é dos mais fáceis, ainda assim, entende que a filha é a maior vítima da história.

“Se Deus quiser, daqui alguns dias, ela pode voltar para casa junto com Letícia. Não é fácil a gente ver um filho passando por isso, mas com certeza é muito mais difícil para ela passar por isso do que nós olharmos ela passando”, contou.

Leia+: Letícia Cazarré reza durante internação da filha

Cazarré também falou sobre a expectativa de breve cura da filha. Para ele, o objetivo é vê-la saudável para que possam finalmente começar uma formação cristã com a caçula, como os outros herdeiros.

“Eu sempre peço que Deus nos dê a graça de um dia ver a Guilhermina curada, saudável, com seu intelecto funcionando bem, para que a gente possa ensinar para ela as coisas de Deus, falar para ela sobre Jesus, sobre o provérbio encarnado”, finalmente.

Leia+: Filha de Juliano Cazarré viaja com avião UTI especial

Por fim, o ator fez um pedido a Deus, sempre falando sobre suas orações. De acordo com ele, os desejos são de que a pequena conquiste autonomia:

“Peço para vê-la livre dos aparelhos, dos medicamentos, que ela possa levar uma vida saudável, com autonomia e com muita alegria”.

Leia+: Letícia Cazarré já revelou medo de perder a herdeira

SAIBA TUDO SOBRE ANOMALIA DE EBSTEIN

Para esclarecer sobre a condição rara que afeta a bebê recém-nascida de Juliano Cazarré e Letícia Cazarré, OFuxico conversou com a Dra. Juliana Rodrigues Neves, especialista em Cardiologia Pediátrica e Diretora do Departamento de Intervenções em Cardiopatia Congênitas da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI).

A anomalia de Ebstein consiste em uma má formação rara da valva tricúspide. Ela se desenvolve em cerca de 1% de todas as cardiopatias congênitas e, quando ocorre, a válvula tricúspide é malformada, ficando posicionada em uma área muito baixa, o que possibilita o escape do sangue para trás a partir do ventrículo para o átrio. “A anomalia de Ebstein é uma cardiopatia congênita rara e na sua forma neonatal como foi o caso da Maria Guilhermina, ela é extremamente rara.  A cardiopatia congênita do tipo anomalia Ebstein ocorre em 01 a cada 20 mil recém-nascidos”, ressalta a doutora Juliana Rodrigues Neves.

Tudo isso resulta no aumento do átrio e a “atrialização” do ventrículo direto, ocasionando uma insuficiência cardíaca congestiva e um back-up do fluxo sanguíneo, que pode fazer com que se acumule líquido nos pulmões. Além disso, também surge um fluxo insuficiente de sangue vermelho para o corpo.

“A anomalia de Ebstein se trata de uma má formação em uma das válvulas do coração, que abrem para deixar o sangue passar e fecham para que ele não retorne pelo caminho de onde veio. Então, nesta condição, há uma anomalia da válvula chamada triplos. A válvula tricúspide é a porta de entrada do coração e permite que os vasos que trazem o sangue já usado (já retirado o oxigênio pelo corpo), e eles retornem ao coração, passam pela válvula tricúspide e seguem para o pulmão para receber esse oxigênio de volta. A anomalia de Ebstein é uma doença desta válvula, que está implantada mais baixo do que o seria o normal. Sendo assim, a doença se torna mais grave quanto mais baixo for essa implantação da válvula”, explica.

A especialista também esclareceu como é feito o diagnóstico em casos como o da filha recém-nascida do ator Juliano Cazarré. “Nesse caso, o diagnóstico foi realizado ainda dentro do útero. Isso é feito por meio de um exame que se chama ecocardiograma fetal, feito por um médico cardiopediatra, especialista em realizar o ecocardiograma ainda na barriga da mãe, é com esse ultrassom que se determina a forma da doença de Ebstein, o grau de repercussão e se vai ser necessário uma intervenção logo após o nascimento ou não”.

Em relação ao tratamento, ela ressaltou que existem várias formas anatômicas da anomalia, sendo que a mais grave é a de apresentação neonatal e exige uma intervenção logo após o nascimento.

“O bebezinho diagnosticado com a anomalia de Ebstrein nasce precisando de outra passagem de sangue para o pulmão que não seja a passagem normal, que seria via válvula tricúspide e artéria pulmonar. Por isso, precisa passar por um procedimento logo após o parto. Existem duas formas de intervir nesses bebês: A primeira é uma cirurgia de peito aberto em que o cirurgião coloca um tubinho e cria uma passagem desse sangue para o pulmão, e a outra é um procedimento feito por cateterismo, em que é inserido um stent, que consiste em uma pecinha de metal que faz com que esse sangue passe para o pulmão por uma veia que todo bebê tem dentro da barriga da mãe que chama canal arterial, mas que tende a fechar após o nascimento. Ou seja, o stent impede o fechamento deste canal”.

“Caso o bebê não passe por nenhuma intervenção, ele desenvolve o que a gente chama de cianose, o recém-nascido com a oxigenação mais baixa”, finalizou.

Siga OFuxico no Google News e receba alertas das principais notícias sobre famosos, novelas, séries, entretenimento e mais!


×