Notícias às 00:00

Kim Kardashian lamenta execução de preso nos Estados Unidos

Reprodução/Instagram

Kim Kardashian lamentou a execução de Brandon Bernard, um preso no corredor da morte, por quem ela lutou para diminuir sua sentença e livrá-lo da pena de morte. Brandon estava entre os cinco jovens envolvidos em 1999, na morte dos pastores Toddy e Stacie Bagley.

Kim  explicou que sua luta contra a pena de morte não diminui sua empatia à família das vítimas, mas lamenta que pessoas como Brandon, que se reabilitaram do crime e reformaram sua vida, não tenha uma segunda chance.

A mulher de Kanye West compartilhou uma foto de Bernard, de 40 anos, e sua família, em seu Instagram, dizendo: "Descanse em paz Brandon Bernard. Foi muito bom conhecê-lo. Especialmente no Dia Nacional dos Direitos Humanos, espero que todos possamos ter um pouco de compaixão pelos homens e mulheres que estão presos, muitos dos quais passaram seu tempo aprendendo, crescendo e mudando. Apenas um lembrete rápido de que às vezes as pessoas se reabilitam e reformam suas vidas para se tornarem grandes pessoas quando fazem escolhas terríveis quando crianças. Minha luta para salvar uma vida da injusta pena de morte nunca tira a empatia que tenho pelas vítimas e suas famílias. Todos estão sofrendo e ninguém vence aqui, apenas rezo pela paz para todos os envolvidos."

No crime Christopher Vialva, que foi executado em setembro, atirou nas duas vítimas enquanto Bernard ateou fogo no carro, de acordo com documentos judiciais.

A família Bagley agradeceu Donald Trump por cumprir com a sentença de pena de morte.

Muitos famosos apoiaram o post de Kim: Khloe Kardashian, Rob Kardashian, Kimora Lee Simons, Lala Anthony, Kendall Jenner, e outros. 

Kim Kardashian compartilha clique raro dos filhos reunidos
Kim Kardashian se reúne com homem no corredor da morte

Publicação de Kim Kardashian na web
Para ver a postagem original, clique aqui

Corredor da morte

Nesta semana, Kim Kardashian conseguiu se reunir com Julius Jones e sua família, um afro-americano que está no corredor da morte desde 2002 quando foi condenado à pena de morte em Oklahoma pelo assassinato de um homem branco de 45 anos em 1999. Julius teve, supostamente, um julgamento racista e foi condenado mesmo sem ter provas contra ele. Ele garante sua inocência, porque na hora do crime, estava com sua mãe.

Kim está determinada a encontrar justiça para Jones e se emocionou ao conversar com ele.

Ela compartilhou no Instagram uma foto de seu encontro, e escreveu: "Tive a honra de sentar-me com Julius Jones, que está no corredor da morte em Oklahoma, na semana passada e depois passar algum tempo na igreja com sua família. Julius está encarcerado há mais de 21 anos por um crime que não cometeu. Os efeitos que isso teve em sua família são realmente inimagináveis ​​e rezo para que o conselho da condicional recomende sua comutação, porque esse homem precisa ser capaz de abraçar seus pais novamente. #JusticeForJulius."

"A última vez que os pais de Julius o abraçaram foi quando ele tinha 19 anos. Isso foi há 21 anos atrás. A mãe de Julius Jones @madelinejones48 deve poder abraçar seu filho. Ela é tão forte e sua fé e força são tão inspiradoras. Não vamos desistir da luta para libertar Julius Jones! Julius desatou a chorar ao falar de sua irmã Antoinette @sassysoulinc, ele tinha prometido que a levaria ao baile e por causa de uma condenação injusta não pôde levá-la! Precisamos tirá-lo de lá e planejar o melhor baile de todos os tempos!!!", disse Kim.

"Sou muito grata com os que lutam pela liberdade, que mais apoiaram Julius Jones. Não vamos parar até obtermos justiça", avisou.