No Limite – Amazônia: Campeão inesperado e destaque de Fernando Fernandes. Quem ganhou?

Por - 18/08/23 às 08:15

Final do "No Limite - Amazônia"A definição da grande final marcou p último episódio - Foto: TV Globo

Acabou! O último episódio do “No Limite – Amazônia”, exibido na globo na noite de quinta-feira, 17 de agosto, teve um mix de treta, lavagem de roupa suja, suspense, emoção e vitória! 

Depois de o júri formado por eliminados definir quem seria o primeiro finalista da temporada, o desafio continuou na semifinal até a consagração de Dedé como o grande campeão da temporada 2023.

O paratleta de 45 anos, que chegou a ser eliminado do programa, disputou e ganhou a repescagem e conseguiu voltar para o jogo. O paulista de Valinhos, no interior de São Paulo, levou a melhor na disputa contra Fulý e Raiana e conquistou o prêmio de R$ 500 mil. 

Nas palavras do apresentador Fernando Fernandes, que se firmou à frente do programa com firmeza e excelente desempenho, Dedé foi uma verdadeira Fênix.

“Você com espírito atleta, desde o começo mostrando que veio aqui para lutar, para mostrar sua capacidade para quebrar preconceitos, paradigmas. Reacendeu das cinzas. Tentaram te eliminar mas você, como Fênix, ressurgiu”, disse Fernando.

“É muito importante acreditar em nós. É sobre jogo, sobrevivência. Minha mãe sempre acreditou em mim e se eu estou aqui hoje, é por causa dela. É difícil de falar, eu a amo muito”, disse Dedé, emocionado.

No Limite - Amazônia: Dedé na água com tocha acesa
Dedé superou o desafio em menor tempo – Foto: TV Globo

SEMIFINAL APÓS DECISÃO DOS ELIMINADOS

Ao se livrar de um portal duplo no penúltimo programa, Dedé não foi o escolhido pelo júri para ir direto para a final e teve que disputar a semifinal contra Fulý, Carol Nakamura e Greici.

Os quatro tiveram que montar uma torre com peças, enquanto puxavam uma corda. O paratleta foi o segundo mais rápido a completar a montagem das peças, atrás somente de Fulý e os dois seguiram parava Final. Arrasadas, Carol e Greici se despediram do jogo.

No limite - Amazônia: Dedé dentro da água, de costas, com os braços pra cima
Dedé superou tosos os obstáculos – Foto: TV Globo

COMO FOI A PROVA FINAL

Em locais diferentes, cada um acendeu uma sua tocha e seguiu o percurso repleto de galhada seca, jaula, caixote, maranhado de cipós. Em um hidroavião, Fernando Fernandes acompanhou a prova.

“Esse desafio passa por tudo que vocês já viveram nessa jornada, tudo o que vocês aprenderam na dificuldade é o que faz o brilho do fogo de vocês manter acesso, intenso, e é assim que vocês devem acabar o percurso de hoje”, anunciou o apresentador,

  • Dedé foi o mais rápido, completando em 7 minutos e 46 segundos, faturando o prêmio de R$ 500 mil;
  • Raiana fez a prova em 8 minutos e 56 segundos e ficou em segundo lugar. Ela levou R$ 100 mil:
  • O estrategista Fulý ficou em terceiro lugar ao completar a prova em 13 minutos e 56 segundos, levando pra casa R$ 50 mil.

DESABAFO DO CAMPEÃO

Com a conta bancária recheada, Dedé que usa prótese em uma das pernas, fez um comovente desabafo sobre sua trajetória no jogo e enfatizou que sua maior prova foi ter que mostra as participantes que não era um traidor.

“As traições, facadas pelas costas, discussões. Todo mundo pensa que eu fui muito traidor mas não é sobre isso. É sobre o jogo. É sobrevivência. Se o meu está na reta, eu tenho que proteger o meu até o final. Eu pequei nisso no começo, consegui uma nova chance, voltei”, disse ele.

“Primeiro participante PCD (pessoa com deficiência), mostrou sua capacidade, mostrou que quando a gente quer, a gente faz”, destacou o apresentador.

No Limite - Amazônia: Dedé e Fernando Fernandes dão as mãos
Dedé recebeu um afetuoso cumprimento de Fernando Fernandes – Foto: TV Globo

Faça parte da comunidade oficial OFuxico no WhatsApp e receba as notícias sempre em primeira mão. 

Tags: ,,,,

É jornalista formada pela Universidade Gama Filho e pós-graduada em Jornalismo Cultural e Assessoria de Imprensa pela Estácio de Sá. Ela é nosso braço firme no Rio de Janeiro e integra a equipe de OFuxico desde 2003. @flaviacirino


×