Paraíso Tropical: Por que a novela foi escolhida no lugar de ‘Salve Jorge’?

Por - 04/10/23 às 12:00

Bebel e OlavoBebel e Olavo, o casal de Paraíso Tropical que rouba a cena (Reprodução/João Miguel Júnior/Globo)

A internet já tinha se dividido para defender “Salve Jorge” ou até para criticar a escolha no “Vale A Pena Ver De Novo” para substituir “Mulheres Apaixonadas”. Mas, a escolhida mesmo e divulgada pela Globo é um folhetim também não reprisado e que traz a trama de Gilberto Braga e Ricardo Linhares: “Paraíso Tropical”.

A novela chegou originalmente as telinhas em 2007 e sempre foi muito, mas muito pedida para ser reprisada nas telinhas. Mas, o que faz a novela que foi indicada ao Emmy ser uma das mais amadas de todos os tempos? Vamos aos fatos, você vai entender!

Casamento Primaveril

Um dos destaques, logo de cara, é Camila Pitanga e Wagner Moura. Os dois faziam a dupla sem vergonha mais carismática da novela e conquistaram o público com suas trambicagens e amor totalmente sem noção. Bebel e Olavo era uma dupla inseparável com o “melhor de dois mundos”: Ela uma prostitua, ele um ricaço golpista.

Os bordões e as cenas clássicas, que envolvem a fala de Bebel sobre um “Casamento primaveril em pleno outono”, o seu jeito com “muita catiguria” e uma história que lembra muito “Uma Linda Mulher”. Provavelmente, hoje algumas falas seriam consideradas problemáticas, como Olavo chamando a sua amada de “Cachorra”.

Mas o amor era tão forte entre os dois vilões que tem uma cena icônica quando Bebel é destratada nas lojas chiques e tem aquele clássico clichê de novelas: Ela volta acompanhada do magnata e ele exige que ela seja bem tratada, comprando rios de sacolas de lojas caras.

Vale pontuar que o casal principal da novela não engatou e foi ofuscado pelos trambiqueiros. A novela é protagonizada por Alessandra Negrini, que interpreta Paula e Taís, irmãs gêmeas com personalidades diferentes: A primeira é uma moça muito batalhadora que vive na Bahia com Amélia (Susana Vieira) e conhece o outro protagonista Daniel (Fabio Assunção), Diretor do Grupo Cavalcanti.

Os dois vivem um romance e ao chegarem no Rio, a outra irmã gêmea descobre a existência da ‘usurpadora’ e que é muito focada no dinheiro. Olavo faz tudo para tomar o lugar de Daniel, já que ele é sobrinho de Antenor (Tony Ramos) com muita ambição e passando por cima de todos que tiverem em seu caminho.

Paula e Daniel
Paula e Daniel (João Miguel Júnior/Globo)

O Sucesso

  • Como citado, em 2008 o Emmy reconheceu a estética da novela e indicou o folhetim ao prêmio que celebra as melhores produções da televisão, entre séries, novelas, realitys e tudo mais.
  • Além disto, um autor tem que estar pronto para os imprevistos: Gilberto Braga alterou muitos destinos da trama para adequar a trama. O começo foi difícil e criticado pela masculinidade presente, por conta da trama empresarial e ter sido criticada pelo machismo. Após isto, ele colocou mais foco nas outras personagens femininas, entre elas, Taís.
Taís
Taís, uma das vilãs de Paraíso Tropical (Reprodução/Globo)
  • Outro ponto é a presença de clichês que o público ama: Um amor a lá “Dama e Vagabundo”; uma trama de anti-herói; irmãs completamente opostas; inspiração em longas que permanecem vivos no imaginário do telespectador e um ‘Quem Matou’ regado de suspense. Esse último, segue a tradição e só é revelado no último capítulo, quebrando tudo.
  • Silvio de Abreu, conhecido por “Passione” e “A Próxima Vítima” entregou alguns capítulos e ajudou a desenhar com maestria alguns capítulos, cerca de 50, como disse Gilberto no livro “A Seguir, Cenas do Próximo Capítulo”.

Tags: ,,

Em formação no Jornalismo pela UMESP. Escreve sobre cultura pop, filmes, games, música, eventos e reality shows. Me encontre por aí nas redes: @eumuriloorocha


×