Motorista que atropelou Kayky Brito volta atrás e vira influenciador

Por - 17/11/23

Diones da Silva

A vida de Kayky Brito não foi a única que mudou depois de seu atropelamento em uma rua do Rio de Janeiro, no dia 2 de setembro. O motorista de aplicativo que dirigia o carro que atingiu acidentalmente o ator, Diones da Silva, decidiu seguir a carreira como influenciador digital e já fez publis e até harmonização facial.

Com mais de 182 mil seguidores e uma conta com selo de verificação, ele tem gravado vídeos motivacionais e adicionou um contato para solicitações de publicidade no seu perfil. Uma das propagandas feitas por Diones é para uma empresa de proteção veicular, que inclui furtos e colisões, como aconteceu na noite do acidente do ator.

Vale lembrar que, durante uma participação no “Encontro”, da TV Globo, no final de setembro, ele mencionou que recusou propostas de publicidade, alegando que não era o seu foco, e contou que estava com receio de voltar a dirigir depois do ocorrido.

Além da carreira como influenciador, Diones compartilhou o resultado de um procedimento estético que fez recentemente. “Realizei hoje o meu processo de harmonização facial. Injetamos ácido hialurônico em pontos estratégicos da face com a finalidade de remover o aspecto de cansaço do rosto, no qual me incomodava muito”, contou. 

No mês passado, Diones comprou um carro novo com o dinheiro arrecadado por uma vaquinha nas redes sociais. A meta era conseguir R$ 30 mil para pagar dívidas do seguro e do carro, mas o projeto levantou R$ 176 mil e o motorista decidiu doar o valor excedido. 

Relembre o caso

Na madrugada de sábado, 2 de setembro, Kayky Brito sofreu um acidente de trânsito no Rio de Janeiro e foi levado ao hospital em condição crítica. O incidente ocorreu quando o ator atravessava a rua e foi atingido por um carro de aplicativo que tentou evitar a colisão, mas não conseguiu.

Na ocasião, o ator estava acompanhado pelo amigo Bruno de Luca, que presenciou tudo. Uma câmera de segurança flagrou o momento. Pelas imagens, é possível ver que Bruno ficou desesperado com a situação, levando as mãos à cabeça. Ele não prestou socorro ao artista e foi indiciado por omissão de socorro, mas defendeu que ficou em estado de choque, acreditando que o amigo estava morto.