Morre Camille K, ícone ativista da comunidade LGBTQIAPN+

Por - 12/02/24 às 17:36

retrato de camille kFoto: Reprodução/Instagram @turmaokrio

Uma triste notícia para a comunidade LGBTQIAPN+ no Brasil: morre a ícone ativista Camille K, aos 78 anos de idade. Seu falecimento ocorreu nesta segunda-feira, 12 de fevereiro, conforme contou o clube social gay Turma Ok em seu perfil oficial no Instagram.

Morre Luiza Trajano Donato, fundadora da Magazine Luiza, aos 97 anos

A causa da morte não foi revelada até o mento, mas era sabido que a artista passava por uma crise financeira desde a pandemia do Covid-19. Isso é porque ela parou de ser chamada para trabalhos de atuação nesse período. Aliás, ela se recuperava de uma queda que fraturou seu ombro.

“É com grande pesar que comunicamos o falecimento da estrela Camille K. Nossos sentimentos aos parentes e amigos! Camille K foi um ícone da comunidade LGBTQIAPN+ no cenário carioca e nacional”, afirmou o grupo no anúncio.

Receba as notícias de OFuxico no seu celular

Uma grande estrela. Que ela continue brilhando em outra constelação junto das estrelas Rogéria, Jane de Castro, Marquesa, Brigitte de Búzios, Fujuca de Holliday e outras”, concluiu o texto, em suma, msotrado as perdas agor que morre Camille K.

Vida de Camille K

Camille K se descobriu uma mulher trans nos anos 1960, e desde então, passou a usar o nome na vida pessoal e nos palcos. Anteriormente à carreira de artista, ela foi cabeleireira, inaugurando seu primeiro salão no Hotel Savoy, em Copacabana no Rio de Janeiro.

Gisele Bündchen reaparece após morte da mãe: ‘Mudar radicalmente’

Na década de 1970, Camille deu início à carreira artística no teatro cantando e atuando em peças como As Bonecas Também Podem, de Ciro Barcelos. Nos anos 1990, convidada por Miguel Falabella para participar das peças O Coração do Brasil e A pequena Mártir de Cristo Rei.

Posteriormente, Camille se juntou a um time de outras artistas icônicas no documentário Divinas Divas, comandado Leandra Leal e estreando nos cinemas em 2016. O projeto falava do pioneirismo das estrelas no teatro como parte da comunidade LGBTQIAP+, tal qual Camille K.

Austin Butler relembra a morte da mãe: ‘Muita turbulência’

Tags: ,

Raphael Araujo Barboza é formado em Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. OFuxico foi o primeiro lugar em que começou a trabalhar. Diariamente faz um pouco de tudo, mas tem como assuntos favoritos Super-Heróis e demais assuntos da Cultura Pop (séries, filmes, músicas) e tudo que envolva a Comunidade LGBTQIA+.


×