Troféu Raça Negra premia Mc Soffia, Dilma Rousseff, entre outras mulheres

Por - 22/11/22 às 02:00

trofeu-raca-negraMc Soffia, Aline Borges, Dilma Rousseff e mais personalidades foram reconhecidas. Foto: Patrícia Devoraes/Brazil News

A Sala São Paulo, prédio histórico da região central da capital paulista, recebeu o Troféu Raça Negra na noite desta segunda-feira, 21 de novembro. Com o intuito de promover e valorizar atitudes que enalteçam a cultura afro-brasileira ou de alguma forma contribua para a igualdade racial, diversas celebridades passaram por lá.

Leia+: Seu Jorge abre o coração após ataques racistas durante show

Apresentado por Maria Gal e Manoel Soares, a premiação contou com apresentação musical de Paula Lima, Luciana Mello, Leci Brandão, além de entregar troféus para Mc Soffia, a ex-jogadora de vôlei Fofão, a atriz Aline Borges, entre outras celebridades.

Ainda receberam troféus personalidades políticas. Dilma Rousseff, Simone Tebet, Marina Silva e Marta Suplicy. Todas incluídas como nomes que colaboraram para a igualdade racial de alguma forma.

Leia+: Daiane dos Santos desabafa sobre atitudes racistas

O Troféu Raça Negra chegou à sua 20ª edição em 2022. Promovido pela Afrobras, é uma das ações instituições da Organização Não-Governamental. No site da ONG, a descrição do evento é bastante clara. Ademais, é importante destacar que ele acontece todos os anos no Dia da Consciência Negra.

“Personalidades e autoridades negras e não negras, nacionais e internacionais, são premiadas por exaltar, enaltecer e divulgar o valor das iniciativas, ações, gestos, posturas, atitudes, trajetórias e realizações que tenham contribuído para aprofundamento e ampliação da valorização da raça negra”, descreve a instituição.

Leia+: Ludmilla desabafa ao revelar novo processo por racismo

A organização ainda considera “justo e oportuno” dar voz e reconhecimento às atitudes que valorizam o poder da cultura negra e das atitudes políticas de combate ao racismo e construção de igualdade racial em nosso país:

“Trata-se de um reconhecimento justo e oportuno aqueles que têm contribuído constantemente pela luta em favor da igualdade racial. A iniciativa do Troféu Raça Negra é reconhecida internacionalmente e já faz parte do calendário da cidade de São Paulo”.

Leia+: Veja uma lista com negros que levam representatividade para diversas áreas

A direção do evento ficou por conta do cantor, compositor e produtor Simoninha. Enquanto isso, a direção geral foi assinada pelo produtor artístico Eduardo Acaiabe.

A primeira edição do Troféu ocorreu no ano 2000 e, depois, em 2004, na comemoração do 450º aniversário da capital paulista. A partir de então, o evento se tornou anual. Em 2008, entrou oficialmente para o calendário da cidade de São Paulo com o objetivo de reconhecer e enaltecer pessoas que contribuem em diversas atividades, propiciando às futuras gerações o registro da determinação, trabalho, perseverança e exemplo público na construção de uma sociedade mais plural.

Ao longo dos anos, o Troféu foi concedido a personalidades como Cartola, Milton Nascimento, Mano Brown, Zezé Motta, Elza Soares, Martinho da Vila, Emílio Santiago, Martin Luther King Jr., Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Preta Gil, Ludmila e Jonathan Azevedo.

CONSCIÊNCIA NEGRA

O Dia da Consciência Negra serve para celebrar e relembrar a luta dos pretos contra a opressão. Apesar de já existir uma lei contra o racismo e de cotas raciais, infelizmente, ainda falta muito para que nossa sociedade seja considerada justa e igualitária, já que o racismo ainda é muito presente no cotidiano, até mesmo nos detalhes.

Leia+: Eddy Júnior lança EP com desabafo sobre racismo. Ouça!

Pensando nisso, nós do OFuxico separamos uma lista com alguns pretos famosos, que inspiram muitas pessoas.

CONFIRA!

Taís Araujo

Taís Araujo nunca se deixou de se posicionar quando o assunto é racismo. Em sua conta no Instagram, a atriz que está no ar como a Clarice e Anita de “Cara e Coragem”, da Rede Globo, compartilhou uma série de fotos em que personalidades negras aparecem em capas de revistas.

“O Brasil e o mundo que eu quero não só em novembro e dezembro, mas de janeiro a janeiro. Quem concorda, respira”, escreveu ela.

Lázaro Ramos

Lázaro Ramos, marido de Taís Araujo, também é um artista muito importante na pauta antirracista. Lázaro dirigiu o filme “Medida Provisória”, que trata sobre o preconceito racial.

Além disso, em uma entrevista para a Época, o artista afirmou que o racismo deveria ser uma pauta de todos. “O crime perfeito é aquele que só a vítima vê. E, às vezes, tem gente que vê e finge que não vê. É muito complexa essa questão. Porque, às vezes, quando uma pessoa se sente ofendida ou discriminada, e vai tentar expressar isso, há uma tentativa de silenciar. Ainda não conseguimos diagnosticar com exatidão o nosso racismo, porque tentam silenciar quem sofre com ele e tenta expressar. A resposta vem mais dura ainda e não se estabelece o diálogo. A gente precisa olhar para o racismo brasileiro, precisa diagnosticar e conversar sobre esse assunto. E, principalmente, a gente precisa saber que esse assunto não interessa apenas ao negro. A gente quer uma nação mais igual para todos, onde a gente possa expressar nosso afeto. A gente fica falando de racismo como se fosse uma demanda social, mas, para mim, trata-se também de uma questão de afeto. Como eu te afeto, como você me afeta e, a partir daí, como a gente se relaciona”, afirmou.

Iza

Iza é uma das principais representantes da comunidade negra e inspira muitas meninas. Em uma entrevista para o “Altas Horas”, da Rede Globo, a cantora comentou sobre o fato de ter se submetida ao alisamento capilar ainda muito nova.

“A gente aprende que nosso cabelo não é aceito pela sociedade, que tem alguma coisa de errado e você tem que consertar. Eu passei grande parte da minha vida alisando o cabelo e tenho certeza de que isso faz parte da realidade de muitas meninas negras. Isso é muito doloroso. Pensar, por exemplo, que eu me submeti à química capilar aos 12 anos como uma tentativa de deixar de ser alvo dos comentários racistas que ouvia na escola. É impagável você andar na rua, ver uma outra menina de cabelo crespo e ela sorrir para você sem nem te conhecer. A gente acaba se ajudando nesse sentido. É dessa forma que temos que nos olhar mesmo, com orgulho, porque não tem nada de errado. A gente é muito bonito, sim”, disse ela.

Ludmilla

Ludmilla também é uma importante representante do movimento negro e sofre racismo diariamente. Em uma entrevista para o Hugo Gloss, a cantora desabafou sobre os ataques que recebe.

“É muito complicado você ter que se afirmar toda hora, você ter que provar toda hora que merece estar ali. E chegou uma hora que eu não quis mais provar que eu merecia estar ali, sabe. Eu só faço e eu estou ali porque eu sou isso, eu não tenho mais nada que provar para essas pessoas. E eu quis deixar aqueles áudios para o Brasil inteiro saber o que eu passo, o que eu enfrento. E, às vezes, algumas pessoas não entendem algumas atitudes minhas. Mas é tipo só a pontinha do iceberg de tudo o que acontece comigo nos bastidores”, disse ela.

Siga OFuxico no Google News e receba alertas sobre as principais notícias sobre famosos, novelas, séries, entretenimento e mais!

---

Tags:


×