No Limite às 14:00

No Limite: Zulu foi atendido três vezes pelos médicos. Saiba o motivo!

Reprodução/Instagram

Pouca comida, muita chuva, frio, sol escaldante, estresse, perdas, ganhos… o “No Limite 5 ” foi, certamente, uma experiência inesquecível para os participantes. A partir cesta segunda-feira (07) o reality passa a ser exibido em novo dia, após a reprise da novela “Império”, e já mostrará que o “bicho pegou”. 

Depois de Lucas Chumbo, o último eliminado, que precisou de atendimento médico por conta de uma crise de gastrite, outros participantes tiveram que ser atendidos também. Ao conversar com seus seguidores nos stories do Instagram, através da caixinha de perguntas, Marcelo Zulu revelou que precisou de ajuda profissional em três ocasiões. 

"Não aguentei os mosquitos. Eu tive intervenção médica três vezes por crises alérgicas devido a picadas de insetos. Foi sinistro. Era muito mosquito e mosca. De manhã era sinistro, mosca e mitinga no nosso ouvido", disse o ex-BBB. 

Além dos insetos, o professor de MMA teve que lidar cm seus problemas de circulação. Ele avisou aos colegas da Tribo Carcará que não tinha condições de fazer determinadas tarefas. 

"O problema de circulação é gravíssimo. 100% que me atrapalhou. Quem me conhece sabe que não consigo manter certas posições por causa disso. Eu avisei o time da minha vulnerabilidade", explicou. 

Chumbo não aguentou 

Lucas Chumbo deixou saudade entre os colegas da Tibo Carcará e emocionou muito o público em sua eliminação. O surfista falou sobre seu problema de saúde e como, até mesmo isso o fez refletir sobre sua vida e vivência fora do programa. 

 “Foi um sonho que se tornou um pesadelo. Eu vivi a oportunidade de ficar largado na selva, mas as dores eram muito fortes. O meu limite foi fisiológico, meu corpo apontando que não dava mais”, disse ele em entrevista à Fátima Bernardes. 

“O maior aprendizado do programa é o autoconhecimento, descobrir quais são as suas barreiras, mas, ao mesmo tempo, sabendo que se pode crescer muito mais”. 

Chumbo destacou que as dores começaram logo no início do reality. Mesmo assim, ele se manteve firme na realização das provas. Até o momento não suportou mais. 

“A alimentação precária e ficar muitas horas sem comer desencadearam as dores. Sabia que a minha gastrite seria uma bomba relógio, que poderia estourar a qualquer momento, só esperava ficar mais tempo no programa”. 

A hipotermia – quando a temperatura corporal inferior a 35ºC, causada pela permanência prolongada em ambientes muito frios – foi outro motivo de sua desistência. 

 “O vento cortante parecia que entrava nos meus ossos. Foi, sem dúvida, a pior hipotermia que passei na vida. O pior frio, quem diria, senti no Ceará”